Fechar
Entrevistas 07 Março 2019, 15:34

Aleksandr Golovin : "Como se estivesse aqui há muito tempo"

Aleksandr Golovin : "Como se estivesse aqui há muito tempo"
Aleksandr Golovin compareceu a coletiva antes de receber o Bordeaux.

Temos a sensação de que, após alguns meses difíceis, você se tornou um verdadeiro jogador do AS Monaco.

É verdade, estamos indo muito melhor. Eu jogo melhor com meus companheiros. A adaptação demorou mais tempo, mas agora sinto que estou aqui há muito tempo. Está muito bom agora.

É difícil para os jogadores russos terem sucesso em outro lugar que não a Rússia?

Jogar na Rússia e na Europa é diferente, que existem dois campeonatos diferentes, dois níveis diferentes. É claro que é um grande risco para um jogador russo ir jogar na Europa, mas se você tiver o sonho de jogar na Europa, eu acho que você tem que ir. É verdade que é muito difícil, que leva muito tempo para se adaptar. Aprender a língua não é fácil.

Você pensou em sair neste inverno?

Não, pensei no no AS Monaco e trabalhar aqui.

Qual sua posição favorita?

Sinto-me bem em muitas posições, seja à esquerda, à direita ou a 10. A posição pouco importa para mim, o mais importante é poder contribuir para a equipe e estar em campo.

Você fez amigos no time?

A maioria dos jogadores da equipe fala inglês, então nos comunicamos em inglês no momento, mas eu estou aprendendo francês e começo a entendê-lo. Claro que já tenho amigos no grupo, às vezes saímos para jantar juntos. Passamos bons tempos juntos.

Como é estar em um clube onde o presidente é russo? Isso lhe dá pressão adicional?

Não, pelo contrário, acho que é um fantástico adicional. O presidente realmente apoia o clube, é o que você vê. Ele teve que tomar decisões que não são fáceis, porque estávamos em uma situação complicada.

Nós estávamos na zona de descida. Aparentemente, suas decisões estavam corretas e agora se vê o resultado. O treinador retornou. Um jogador muito bom, Gelson Martins, está por empréstimo aqui. No que me diz respeito, fico feliz que o presidente seja russo.

Você já teve a chance de conhecê-lo?

Sim, nos vimos algumas vezes, conversamos sobre minha adaptação, minha posição em campo, etc.

A parte física é a mais longa na adaptação?

Na verdade, o nível é maior em todos os compartimentos do jogo em comparação com o campeonato russo. O físico também. Há menos tempo para tomar decisões quando você tem a bola. É quando você entende que é imperativo trabalhar e progredir.

Houve críticas na Rússia pelo seu desempenho. Você tem ciência isso?

Eu não presto atenção a críticas ou bajulações em qualquer lugar. Eu continuo trabalhando como deveria.

Você está tendo aulas de francês?

Já tirei 25 aulas de uma hora e meia. Eu tento passar muito tempo. Pouco a pouco, começo a entender. É ainda mais difícil falar, mas o mais importante é entender o técnico e meus colegas de equipe.

Você pode nos contar sobre sua lesão em Montpellier?

Eu recebi um duro golpe. Tive a impressão de que era algo sério, porque a dor era tão forte quanto me sentia no começo da temporada, quando me machuquei. Eu acho que foi o mesmo, mas desta vez eu tive sorte porque não era nada sério. Depois de três dias, pude começar normalmente.

Como você se entende no campo com Fabregas?

Tal como acontece com todos, com boas relações. Ele é um jogador muito forte, eu aprendo muito com ele. Ele teve uma boa carreira, ele compartilha sua experiência e é muito bom poder jogar com um jogador como ele.

Essa foi a temporada mais difícil da sua carreira?

Sim, eu poderia dizer que foi complicado, nunca aconteceu comigo. Sempre joguei no mesmo time, com o mesmo treinador. Hoje estamos melhor, a equipe está focada no jogo e eu tento não pensar no que passou.

Você tem uma meta de gols ou assistências?

Na verdade não. Eu penso mais sobre a equipe do que sobre minhas estatísticas. É verdade que eu gostaria de ser mais decisivo, mas o mais importante é que o time vença. O resto virá depois.

Você pode ter mais oportunidades em campo?

É minha primeira temporada. A primeira parte foi difícil, mas espero poder fazer mais aqui no final da temporada e ser melhor na próxima temporada.

Você já se acostumou a vida aqui?

Muito melhor, me adaptei. O que é bom é que estando aqui estamos em boas condições para treinar no inverno, muito pelo contrário na Rússia, onde você tem que sair para treinar. O clima e o estado do campo nos permitem estar aqui para treinar o ano todo.

AS Monaco uses cookies on this website. With your agreement, we use them to access how this website is used (analytic cookies) and to adapt it to your needs and interests (customization cookies depend on your browsing and your browser). By continuing your browsing, you give us the permission to use them.