Fechar
Sem categoria 02 Agosto 2019, 12:22

AS Monaco - Sampdoria, geração 90

AS Monaco - Sampdoria, geração 90
AS Monaco e Sampdoria se enfrentam neste sábado, no Louis-II, pela Philipp Plein Cup, o que nos faz lembrar da temporada 1989-1990, quando as duas equipes disputaram um lugar na final da C2.

Quem poderia esquecer de quase 30 anos atrás quando o AS Monaco e a Sampdoria de Gênova se encontraram na semifinal da Recopa Europeia? Como é que alguém não se lembra da primeira das sete semifinais europeias disputadas pela nossa equipa, na primavera de 1990? Aqueles que são novos podem nunca ter passado por essa glória, mas aqueles com cabelos grisalhos sempre se lembrarão.

Belenenses no começo
Em Setembro de 1989, depois de perder para o Marselha em uma das melhores finais da Coupe de France, alguns meses antes (uma derrota por 4-3), os Vermelhos e Brancos participaram da Recopa Europeia, já que o Marselha, que alcançou a dobradinha na temporada anterior, portanto, participaria do C1. A aventura começou nas oitavas em Lisboa contra o Belenenses, onde o AS Monaco empatou 1-1 (gol de Ramon Diaz). A partida de retorno é uma formalidade. George Weah marca dois golos e Fabrice Mège marca pela terceira vez antes do intervalo. O placar não se altera, os homens de Arsene Wenger avançam nas oitavas de final.

Ramon Diaz e o muro de Berlim
Confrontados com a dura formação da Alemanha Oriental do Dínamo de Berlim, os Vermelhos e Brancos são parados no primeiro jogo disputado no Principado (0-0). A partida de volta está marcada para 1º de novembro de 1989. Nenhum gol foi marcado durante o tempo regulamentar, e as duas equipes brigam pela classificação durante a prorrogação. Quando Eike Küttner finalmente abriu o placar para Berlim aos 110 minutos, as chances monegascas diminuíram. Mas, de uma cobrança de falta magistral, Ramon Diaz empatou três minutos antes do apito final. O argentino bateu o proverbial Muro de Berlim, nove dias antes da queda da muralha real! Histórico.

Defesa, defesa, defesa… 
Graças ao gol marcado fora pelo Mônaco, a equipe chega às quartas-de-final contra o Real Valladolid, seu obstáculo para a sua primeira semifinal europeia. Como contra o Berlin, nenhum gol é marcado durante o tempo normal da primeira partida na Espanha, antes da partida de volta no Principado. Com grande atuação, os Vermelhos e Brancos ganharam por 3 a 1 e pela primeira vez chegaram nas semifinais de uma competição continental.

20 000 torcedores no Louis-II !
Em 3 de abril de 1990, é contra a Sampdoria de Gênova que o AS Monaco descobre este nível da competição.  O time italiano liderado por Vujadin Boskov parece bem com Gianluca Pagliuca no gol, Pietro Vierchowod na defesa, Srecko Katanec e Attilio Lombardo no meio, e uma dupla ofensiva especialmente impressionante composta por Gianluca Viali e Roberto Mancini. Os Vermelhos e o Brancos claramente não são favoritos, mas em um Louis-II com 20.000 espectadores, um recorde, eles dominam o primeiro ato. A abertura do placar de George Weah na marca dos 40 minutos é o destaque do primeiro período monegasco.

Vialli não perdoa
A Sampdoria acordou depois do intervalo, mas o AS Monaco conseguiu manter a vantagem até os 75 minutos, até que uma penalidade máxima foi atribuída aos italianos pelo árbitro alemão Kirschen. Incrédulos diante dessa decisão absurda, os Vermelhos e os Brancos assistem ao empate de Gianluca Vialli. A estrela italiana percebe que isso desestabilizou seus oponentes, quando ele aproveita a oportunidade para marcar uma segunda vez com uma cabeçada aos 78′. Em três minutos, o sonho monegasco entrou em colapso. E se o empate de Ramon Diaz no 81º, em um chute desviado de um defensor, reacende um pouco a chama, todo mundo sabe que com a perspectiva do jogo de volta estar em Marassi, uma qualificação para a final seria uma façanha.

Geração de ouro
O AS Monaco não partiu como favorito em 18 de abril de 1990, quando Vierchowod abriu o placar aos 9 e Lombardo ampliou aos 12. Ao perder por 2 a 0 antes mesmo dos primeiros quinze minutos de jogo, os Vermelho e Brancos estão com grande desvantagem, apesar de boas chances nos primeiros dez minutos. Sem nunca desistir, o AS Monaco ainda não é capaz de mudar as coisas, vendo a Sampdoria chegar à final.

Ao vencer por 2-0 contra o Anderlecht, a formação genovesa levaria o troféu em Goteborg poucas semanas depois, um ano antes de levantar o Scudetto à sombra do grande AC Milan (1991), e dois anos antes da final do C1 contra o FC Barcelona de Johan Cruyff, enquanto o AS Monaco faria o mesmo em C2 contra o Werder Breme (1992). Ainda era cedo para dizer, mas em abril de 1990 viu uma geração de ouro de um lado contra o mesmo no outro. Trinta anos depois, podemos ver como isso marcou a história do AS Monaco e da Sampdoria de Gênova.

Semifinal – Ida
3 abril 1990
Stade Louis-II
Público : 20 000
Árbitro : M. Kirschen
AS Monaco 2-2 Sampdoria
Gols : Weah (40′), Diaz (81′) para o AS Monaco – Vialli (75′, 78′) para a Sampdoria
AS Monaco : Ettori, Valery, Petit, Mendy, Sonor, Puel, Dib, Ferratge (Fofana 79′), Touré (Mège 79′), Weah, Diaz – Treinador : A. Wenger
Sampdoria : Pagluica, Mannini, Vierchowod, Pari, Invernizzi, Muñoz (Salsana 69e), Katanec, Lombardo, Dossena, Mancini, Vialli – Treinador V. Boskov

Semifinal – Volta
18 abril 1990
Stadio Comunale Luigi Ferraris (Marassi)
Público : 35 577
Árbitro : M. Rosa Dos Santos
Sampdoria 2-0 AS Monaco
Gols : Vierchowod (9′), Lombardo (12′) para a Sampdoria
Sampdoria : Pagliuca, Lanna, Vierchowod, Pari, Invernizzi, Carboni, Katanec, Lombardo, Dossena, Mancini, Vialli – Treinador V. Boskov
AS Monaco : Ettori, Valery, Petit, Mendy, Sonor, Blondeau (Fofana 46′), Dib, Ferratge, Mège (Clément 62′), Weah, Diaz – Treinador : A. Wenger

AS Monaco uses cookies on this website. With your agreement, we use them to access how this website is used (analytic cookies) and to adapt it to your needs and interests (customization cookies depend on your browsing and your browser). By continuing your browsing, you give us the permission to use them.