Fechar
História 13 Novembro 2019, 13:58

Diagonal: há 60 anos, nascia um mito

Diagonal: há 60 anos, nascia um mito
Por ocasião do 90º aniversário da princesa Grace de Mônaco, voltamos no tempo ao início dos anos sessenta, com o nascimento da mítica camisa diagonal vermelha e branca

Na esteira do épico primeiro grande título do AS Monaco, na primavera de 1960, o príncipe Rainier III e a princesa Grace criaram um carinho pela equipe liderada por Lucien Leduc. A presença deles no Stade Yves-du-Manoir, em Colombes, por ocasião da semifinal contra o Reims, não passou despercebida. O casal quase roubou os holofotes dos jogadores, pois o público, as câmeras e as lentes dos fotógrafos só tinham olhos para eles.

O casal nas arquibancadas de Colombes durante a semifinal vitoriosa contra o Stade de Reims

Foi neste mesmo estádio que se disputou a decisão contra o Saint-Étienne. Em um final dramático, o AS Monaco venceu por 4×2 após a prorrogação. Seu capitão, Raymond Kaelbel, era o primeiro jogador monegasco a levantar a Copa da França. Assim, o AS Monaco entrava no seleto clube dos grandes e comemorou como deveria.

A princesa Grace era associada ao sucesso do AS Monaco pelo Miroir Sprint

Na mesma noite em Paris, na presença do casal principesco, foi dada uma recepção no Hotel de l’Univers e de Portugal. Salmão e costela estavam no menu, acompanhados por um tradicional champanhe. Outra recepção, mais oficial, foi realizada dois dias depois no Palácio do Príncipe, enquanto o AS Monaco e a princesa Grace apareciam na primeira página da imprensa. Jogadores e dirigentes ainda não sabiam disso, mas no espírito criativo da princesa germinava uma ideia que literalmente mudaria a imagem do AS Monaco.

A recepção dos heróis no pátio do Palácio do Príncipe

Enquanto o príncipe Rainier III sugeria a ideia de mudar a camisa listrada vermelha e branca, que o AS Monaco compartilhava com várias outras equipes, a princesa Grace foi ainda mais longe ao imaginar esse novo manto. Ela se inspirou nos losangos vermelhos e brancos do brasão de armas do Principado, que ela cortou uma parte para criar a famosa diagonal.

Na temporada 1960-1961, o AS Monaco vestia a diagonal pela primeira vez

“A princesa me mostrou durante a criação”, confidenciou Michel Hidalgo há alguns anos ao jornal L’Équipe, ele que foi um dos primeiros jogadores a usar esta camisa que se tornaria lendária ao longo dos anos. “Este desenho diagonal era algo novo, e agradou a todos. Esta camisa é marcada pelos olhos da princesa. Ela era próxima de nós.” Uma camisa que trouxe boa sorte ao time, que conquistou o seu primeiro título da liga alguns meses depois e adotou definitivamente a diagonal.

Em 1961, Karimou Djibrill e o AS Monaco orgulhosamente usaram a diagonal, acompanhada de calções e meiões brancos, conquistando o primeiro título do Campeonato Francês da história do clube

Colocada na frente e atrás de uma camisa com gola e mangas brancas, a diagonal era livre de qualquer logotipo. O símbolo do clube só foi inserido alguns anos depois, enquanto a década de 1970 viu a chegada dos primeiros patrocinadores. Em um mundo do futebol em constante evolução nos últimos sessenta anos, a diagonal do AS Monaco se tornou um marco imutável, símbolo de um clube único que orgulhosamente representa um território igualmente importante.

AS Monaco uses cookies on this website. With your agreement, we use them to access how this website is used (analytic cookies) and to adapt it to your needs and interests (customization cookies depend on your browsing and your browser). By continuing your browsing, you give us the permission to use them.