Fechar
Ligue 1 Conforama 20 Novembro 2020, 12:02

Jérôme Rothen: "Monaco, um amor inesperado"

Jérôme Rothen: "Monaco, um amor inesperado"
Poucas horas antes do clássico da 11ª rodada da Ligue 1 entre AS Monaco e Paris Saint-Germain, o ex-meio-campista Rouge et Blanc, agora consultor de rádio da RMC, reservou alguns minutos para confidenciar as ligações que mantém com os seus dois ex-clubes

Ele é uma das mais belas “canhotas” que o Stade Louis-II teve a chance de hospedar. Vencedor da Copa da Liga em 2003 e um grande jogador no épico excepcional da Champions League durante a temporada 2003-2004, Jérôme Rothen deixou muitas memórias no Principado. Em apenas duas temporadas e meia, ele conseguiu estabelecer uma relação especial com os torcedores Rouge et Blanc. Hoje consultor de TV da RMC Sport e à frente de seu programa de rádio homônimo, “Rothen Régale”, o ex-meia esquerda do AS Monaco aproveitou para confidenciar ao que alguns chamam de “Rothenico”.

Olá Jérôme. Em primeiro lugar, o que significa para você esta partida um tanto especial entre seus dois ex-clubes?

Isso me traz muitas memórias, acima de tudo. Porque passei nove anos da minha carreira nestes dois clubes (dois e meio no Monaco, seis e meio no PSG). Então essa é uma grande parte da minha vida futebolística. Tenho memórias incríveis, especialmente no AS Monaco. Eu diria que este é o meu clube adotivo, porque foi aquele que me apresentou a coisas incríveis. Em particular, fui convocado para a seleção francesa graças a este clube. Descobri a Champions e ganhei títulos com ele, então só por isso ele ocupa um lugar enorme no meu coração. E depois o PSG é outra coisa, porque é o clube “onde nasci”, não muito longe do Parc des Princes, aliás. Era um sonho de infância jogar ali. Então, esse clássico é como alguns dizem o “Rothenico” (risos). Todos os anos, eu vejo esse duelo, seja em Mônaco ou no Parc. Além disso, para ser muito honesto, quando assisto a este jogo, tenho dificuldade em decidir para qual torcer.

É difícil fazer uma escolha por você?

Sim, porque conhecemos perfeitamente o apego que tenho pelo Paris Saint-Germain, não é segredo. Mas o que vivi no Monaco, acho que ficará gravado por toda a minha vida. Tenho tanto respeito por este clube que precisa ser compartilhado. E depois há também o fato de o PSG ter dominado as outras equipes do campeonato por muitos anos, já ter conquistado quase todos os títulos, então há também o desejo de ver o desafiante derrubar o líder.

Você imagina que chegamos à final da Champions League eliminando times incríveis (Real Madrid, Chelsea) e fazendo partidas malucas. E isso também se confirmou na Ligue 1, então não foi mais uma coincidência. Sinceramente, tínhamos um nível de jogo excepcional.
Jérôme Rothen

Especialmente porque em apenas dois anos e meio você experimentou emoções incríveis com o AS Monaco…

Claro. Mas, acima de tudo, meu progresso acompanhou a ascensão do clube desde o início difícil de Didier Deschamps, quando ele assumiu o time. Eu estava lá na início, era um grupo que se rejuvenesceu principalmente no segundo ano, mas manteve a ideia norteadora do Monaco que é manter jogadores experientes para cercar jovens talentos. Ele conseguiu criar uma certa química, que fazia você não se dar limites. Porque essa equipe estava melhorando constantemente, como eu. Quando cheguei do Troyes, tinha muita ambição quando assinei pelo Monaco, e essa vontade de subir um degrau. No final, em um ano, fiz mais do que isso, chegando à seleção francesa bem rápido, o que faz você ganhar uma confiança enorme. Você ainda imagina que chegamos à final da Champions League eliminando times incríveis (Real Madrid, Chelsea) e fazendo partidas malucas. E isso também se confirmou na Ligue 1, então não foi mais uma coincidência. Sinceramente, tínhamos um nível de jogo excepcional. Hoje, com a minha função de consultor, posso dizer sem pretensão que estivemos no top 3 das melhores equipes dos últimos vinte anos. Era um time fabuloso.

Você diria que é o time, o vestiário que mais marcou sua carreira?

Cada experiência é diferente nos clubes, porque os jogadores estão todos de passagem, e isso acontece todos os anos. Por exemplo, lembro que em Troyes tínhamos jogadores muito menos conhecidos, mas um grupo que vivia muito bem. Estávamos nos divertindo muito, embora eu fosse mais jovem e não tivesse o mesmo nível. Mas viver isso no AS Monaco, com esses jogadores, com esse começo despreocupado e depois com essa química que se criou no grupo, esse estado de espírito, isso foi outra coisa. Estávamos ansiosos para vencer, mesmo nos treinos. Era um grupo que também podia gritar um com o outro, mas imediatamente você voltava ao seu lugar e tudo começava de novo. Como jogador, você está procurando por isso. Além disso, durante esses dois anos, foi muito raro termos um jogo ruim. Um intervalo ruim, sim, mas nunca um jogo ruim por 90 minutos. Sempre mostramos coisas interessantes.

Você não encontrou isso em nenhum outro lugar?

Quando mudei de clube, estava sempre à procura disso. Para mim, isso era o futebol. A competição, o alto nível, a mídia, o relacionamento com a torcida, tudo é ótimo. Mas o que é ainda mais cativante é compartilhar o mesmo estado de espírito no vestiário, ter a mesma conversa, a mesma alegria de viver. É algo que nunca experimentei em nenhum outro lugar. E não sou o único a falar, pode perguntar a todos os jogadores desta geração, mesmo aquele que não jogaram muito. Foi a grande força de Didier Deschamps ter criado isso. Todos os jogadores que ele escolheu para serem líderes no vestiário ou em campo foram incríveis nessa época. Em todo caso, tive meu melhor período no esporte. Quando você já experimentou o alto nível, sabe que isso se passa por essa osmose para ganhar títulos. Você é obrigado em algum momento a priorizar o coletivo em detrimento das individualidades. E isso é verdade ainda hoje. Independentemente do nível em que a equipe esteja jogando, também experimentei isso no Bastia que subiu da Ligue 2, é preciso ter esse fio condutor, esse estado de espírito conquistador durante toda a temporada. Vivemos ao extremo em Mônaco, éramos todos irmãos no vestiário, foi incrível. Ainda assim, todos nós tínhamos personalidades fortes, e não poderia ser fácil comandar 25 jogadores e obter o máximo deles, mesmo para aqueles que não estavam jogando.

O gol que mais me impressionou, e que ressalta a relação que eu tinha com os meus atacantes, foi o voleio de Ludo (Giuly) contra o Lens. Acho que foi o maior golaço da carreira dele, ele já disse isso antes. Mas o cruzamento que fiz para ele resume nosso relacionamento, o vínculo que eu tinha com os atacantes que eu estava tentando colocar da melhor maneira possível.
Jérôme Rothen

Você tem o exemplo de um jogador que teve dificuldade em se acostumar com a ideia de não jogar?

Sim, acredito que o exemplo do Marcelo Gallardo seja o melhor. Ele era um grande jogador, mas não fazia parte do time típico de Didier. E isso, ele não aceitou. Ele achava difícil imaginar que estava competindo com Ludo (Giuly) e eu por uma vaga no time, que estava jogando no 4-4-2. Então ele saiu no início da temporada 2003-2004. Ao mesmo tempo, foi difícil tirar seu capitão, e Didier (Deschamps) me considerava o líder técnico da equipe, então ele me deu as “chaves do caminhão”. Marcelo teve dificuldade em aceitar isso e de repente foi embora. Mas isso se respeita, eu entendo.

Voltando à sua experiência pessoal no Monaco, há um jogo, um gol ou uma assistência que vem imediatamente à sua mente?

Meu primeiro gol pelo AS Monaco foi na Copa da França contra o Guingamp. Mandei uma bomba no ângulo, no Stade Louis-II. Eu tinha acabado de chegar e tive alguns problemas de adaptação nos primeiros meses, e esse gol só me deu confiança. O gol que mais me impressionou, e que ressalta a relação que eu tinha com os meus atacantes, foi o voleio de Ludo (Giuly) contra o Lens. Acho que foi o maior golaço da carreira dele, ele já disse isso antes. Mas o cruzamento que fiz para ele resume nosso relacionamento, o vínculo que eu tinha com os atacantes que eu estava tentando colocar da melhor maneira possível.

Não existe o arrependimento de não ter sido campeão com esta equipe?

Sim, isso é certo. Nos dois anos em que terminamos em segundo e terceiro, fomos melhores que o Olympique Lyonnais. A propósito, eles sabem disso, porque ganhamos todas as vez.e Principalmente no primeiro ano (2003-2004), quando metemos 3 a 0 na liga e vencemos por 4 a 1 na Copa da França dez dias depois. São partidas que marcam, na supremacia do campeonato. Além disso, se forem honestos, eles sabem por que foram campeões em 2004. É porque deixamos muita energia na Champions League. Este é o único arrependimento que permanece ao longo destes dois anos, não ter sido campeão francês, porque merecíamos. Olhando para trás, ainda é um grande orgulho ter tido essa experiência na Champions. Sempre que volto a Mônaco, as pessoas ainda falam comigo sobre isso, mesmo que tenha sido há 16 anos! O respeito que as pessoas têm pelo que fizemos é um orgulho incrível.

Você acha que o AS Monaco tem tantos torcedores em toda a França graças em parte a você?

Frequentemente luto contra esse equívoco, essa difamação da atmosfera no Stade Louis-II e o número de torcedores do AS Monaco. Mesmo no ar hoje, eu digo, “vocês estão errados.” Quando o Monaco tem um time que joga bom futebol, e esse sempre foi o caso na história do clube, não apenas em nosso tempo, a propósito, você tem entusiasmo. Historicamente, você sempre teve jogadores incríveis e um ótimo jogo, não é de ontem. Então, quando você tem isso em Mônaco, as pessoas vão ao estádio. Então, de fato, você tem uma cidade que é pequena, então você não pode ter uma base de 50 mil fiéis, mas com o belo jogo você atrai multidões. Lembro-me que durante os meus dois anos, e não o da épica campanha da Champions League, o estádio estava cheio quase todas as vezes, mesmo para jogos medianos. Porque as pessoas são apaixonadas e querem se divertir. Antes mesmo de chegar, em 2000, quando foram campeões, tinha muita gente no estádio porque estava jogando bem.

Conte-nos um pouco sobre seu tempo em Paris…

Embora não tenha sido um grande período para o PSG em comparação com o que estamos vendo agora, não me arrependo apenas de ter sonhado em jogar no clube da minha cidade. O único arrependimento é que, ao assinar, nos dizem que haverá grandes investimentos para formar uma grande equipe. E esses investimentos, em última análise, nunca aconteceram. Com o Canal +, no entanto, havia meios. E então, quando a Colony Capital apareceu, sentimos que eles não estavam lá para investir muito. Em Paris, como em Marselha e em outros lugares, você sofre muita pressão popular. Portanto, mais do que em qualquer outro lugar, você precisa de jogadores internacionais, talentos em campo muito superiores aos de outros clubes. E não foi esse o nosso caso, pois éramos muito poucos jogadores de seleção. Então você podia sentir isso em campo. Depois, havia o desejo de fazer os jovens jogarem, mas quando você tem tanta pressão popular fica difícil para os jogadores do centro de formação. E quando seu nome é PSG e você está jogando pela manutenção em 2008, pra mim que cheguei com ambição em companhia de Pauleta e Yepes em particular, foi complicado. Quando é o clube da sua infância, entretanto, você coloca muito amor nisso.

Apesar de tudo, você também teve belos momentos no seu clube de coração?

Pessoalmente, mesmo no ano da manutenção, havia orgulho em não desistir e seguir em frente. Sinceramente, sem me levar por outro lado, se eu não tivesse o nível que tive no ano da manutenção, como dois ou três titulares, o PSG não se manteria na Ligue 1. Para mim, teria sido um ponto negro ao derrubar clube que nunca conheceu a Ligue 2. Então, ganhar um título a cada dois anos, porque ganhei duas Copas da Liga e duas Copas da França em seis anos, já é uma façanha. Mesmo no ano de manutenção, fizemos a final da Copa da França contra o grande Lyon, e que só perdemos na prorrogação. Também houve as quartas de final da Liga Europa, onde fomos eliminados por pouco contra o Benfica e depois o Dínamo de Kiev. Depois que saí o clube entrou em outra dimensão com o Catar. E prova que os investimentos não eram grandes o suficiente antes. Apesar de tudo, não me arrependo.

Ainda hoje luto para que não esqueçamos o que o AS Monaco fez pelo futebol francês. Porque se tirar tudo o que este clube fez no Principado, ainda que só com os resultados europeus, não sobra muito. Portanto, é um amor que nunca foi planejado, mas que ainda me segue hoje.
Jérôme Rothen

Você teve a chance de viver seu sonho ao final…

Sim, exatamente. De qualquer forma, na carreira de um jogador existem dois pontos principais. Primeiro você faz um plano de carreira, e pessoalmente meu sonho era jogar pelo meu clube, o que consegui alcançar. Então você quer tocar as estrelas e, pela primeira vez, foi com o Monaco que alcancei esse objetivo. Primeiro, por me tornar selecionável, porque se me falassem no início da minha carreira que teria a chance de jogar pela seleção francesa, eu teria rido. E acima de tudo o de conquistar títulos e chegar à final da Champions League com o seu clube. Para mim, eu realizei meus dois sonhos.

É também por isso que você tem um apego especial ao AS Monaco?

Evidentemente. Porque no início, o AS Monaco não era um amor que se esperava. Pelo contrário, quase cheguei a assinar pelo Nantes, porque eles foram campeões um ano antes da minha chegada. Mas para mim, desde criança, o Monaco era um reduto do futebol francês, por isso decidi vir para este clube e não para outro. Ainda hoje luto para que não esqueçamos o que o AS Monaco fez pelo futebol francês. Porque se tirar tudo o que este clube fez no Principado, ainda que só com os resultados europeus, não sobra muito. Portanto, é um amor que nunca foi planejado, mas que ainda me segue hoje.

Qual a sua opinião sobre o novo projeto esportivo do clube?

Já tive o prazer de ter Niko Kovac no meu programa Rothen Régale, na RMC. Tivemos uma conversa muito boa e isso confirmou o feedback que tive, pois já havia pesquisado sobre ele antes. Ele é alguém que respeita muito o passado do AS Monaco. E isso eu acho que é a base, quando você tem um técnico estrangeiro chegando, para absorver o que a instituição fez no passado e a cultura do clube. Essa é realmente a sensação que tive após nossa conversa. Então você tem que colocar as coisas no lugar e ter um projeto de jogo interessante. Sempre disse que o Monaco sempre teve times que jogaram um bom futebol, com jogadores talentosos e técnicos. A própria família principesca era perita nisso. E é isso que conseguimos encontrar nas sequências com Niko Kovac. Então, às vezes eles perdem pontos, cometem erros, mas no geral acho que ele está certo, que o plano de jogo é consistente. E o que também é importante é que sinto que vamos dar tempo a ele. Há diálogo, comunicação, respeito e o todo novamente é muito coeso e exala serenidade.

Se existe um clube hoje em que sei que há algo que pode ser feito novamente no futuro, é o Monaco. Fiquei neste clube por apenas dois anos e meio, mas aconteceu algo muito poderoso.
Jérôme Rothen

Você tem orgulho de dizer a si mesmo que é lembrado pelos torcedores mesmo tendo jogado aqui por apenas dois anos e meio?

Sim, com certeza. Hoje tenho um horário e um trabalho que não me permite vir aqui muitas vezes, mas não sei, sinto que a aventura não acabou. Porque já sou apaixonado pelo futebol. E se há um clube hoje onde sei que há algo que pode ser feito no futuro, é o Monaco. Fiquei apenas dois anos e meio neste clube, mas aconteceu algo muito poderoso.

El festejo de Jerome ROTHEN - Monaco /Real de Madrid- 06.04.2004 - Champions League - 1/4 Finale-Retour- Foot Football - largeur attitude joie
Jerome ROTHEN / FIGO - AS Monaco / Real de Madrid - champions league - 06.04.2004 - C1 - foot football - action largeur
Jerome ROTHEN contra NUNO VALENTE - Monaco / Porto - Finale - Champions League - 26.05.2004 - Foot Football
Jerome ROTHEN - Monaco / Chelsea- Champions League - 1/2 Finale- Aller - 20.04.2004 - Foot Football
Patrice EVRA con Jerome ROTHEN - Football - Sochaux/ Monaco - 17.05.2003 - Copa de la Liga - Final
Jerome ROTHEN - Sochaux/ Monaco - Final de la Copa de la Liga - 17.05.2003 - Football Foot
EVRA CISSE ROTHEN AS MONACO - PSG/ Monaco - 24.08.2003 - L1 - Foot Football
1 / 8
AS Monaco uses cookies on this website. With your agreement, we use them to access how this website is used (analytic cookies) and to adapt it to your needs and interests (customization cookies depend on your browsing and your browser). By continuing your browsing, you give us the permission to use them.