Fechar
Sub-17 05 Novembro 2020, 15:14

Manu Dos Santos: "O derby? Meu primeiro jogo profissional"

Manu Dos Santos: "O derby? Meu primeiro jogo profissional"
Poucos dias antes do derby em Nice, Manu Dos Santos, Sébastien Squillaci e Gaël Givet falam sobre esta rivalidade com os Aiglons. Primeiro episódio com o técnico do sub-17, que disputou sua primeira partida profissional contra o Gym

Neste domingo, dia 8 de novembro, niçois e monegascos duelarão em busca da “supremacia regional”, segundo Manu Dos Santos. No comando do sub-17, o ex-lateral formado no AS Monaco deu seus primeiros passos profissionais no gramado do Stade du Ray em 25 de julho de 1995. Uma excelente memória que não apaga uma desilusão surgida dez anos depois, quando voltou ao clube. Memórias do Derby com Manu Dos Santos!

Duelo entre Florent Balmont e Manu Dos Santos

Manu, um duelo entre AS Monaco e OGC Nice é antes de tudo uma excelente lembrança para você…

É verdade. Esta foi a minha primeira partida com os profissionais, em Nice (em 25 de julho de 1995). Entrei a poucos minutos do final, o que não foi planejado. O treinador já tinha feito duas alterações e mandou mais dois jogadores para o aquecimento. Então, houve uma lesão, e ele se virou para mim para dizer que eu entraria. Foi talvez um mal menor, porque não tive tempo para pensar sobre isso e me fazer muitas perguntas. E tudo acabou bem, porque vencemos fora de casa. Obviamente, é algo que marca.

… Mas também outra mais dolorosa, dez anos depois.

Esta semifinal em casa na Copa da Liga continua atravessada (em 7 de fevereiro de 2006). Tínhamos dominado o jogo e criamos muitas oportunidades de gol, mas não conseguimos balançar a rede adversária. E então, finalmente levamos um gol a poucos minutos do final da partida, que nos privou de uma final no Stade de France…

Entre essas duas partidas, você usou as cores do Marselha e do Montpellier. Mantemos esse conceito de derby em mente mesmo quando vestimos outra camisa?

Quando jogava pelo Marselha, houve outra rivalidade com o Nice que deu um toque especial a este encontro. Seja no OM ou no AS Monaco, jogar contra o Gym sempre foi um momento importante. Quando estive no Strasbourg, entre 2007 e 2008, foi diferente. Era o fato de voltar a jogar em casa diante da torcida que dava um pouco mais de motivação.

Eu cresci aqui, então é algo que fala comigo desde que eu era pequeno. Seja na escola de futebol ou depois, sempre fiz esse tipo de partida, esse tipo de derby com o OGCN ou com o Cavigal. Era um jogo que mal podíamos esperar para jogar, porque sabíamos que haveria tensão e que os cenários costumavam ser aleatórios e imprevisíveis. Este é o tipo de partida em que qualquer que seja sua posição na classificação, tudo pode acontecer. Nem sempre o time que estava à frente venceu, longe disso.
Manu Dos Santos

O que você pode nos contar sobre o Stade du Ray, onde o OGCN jogava antes de se estabelecer no Allianz Riviera?

Este estádio era super louco. A configuração das arquibancadas era antiquada, com um público muito próximo ao campo. Então, como lateral, quando íamos pegar a bola, havia sempre um clima bem elétrico, mas acima de tudo motivador. Enfrentar adversidades como essa e ser capaz de alcançar grandes desempenhos é emocionante. Sempre gostei desse tipo de ambiente.

Como jogador formado no AS Monaco, imaginamos que os derbys sempre tiveram um lugar especial no calendário…

Eu cresci aqui, então é algo que fala comigo desde que eu era pequeno. Seja na escola de futebol ou depois, sempre fiz esse tipo de partida, esse tipo de derby com o OGCN ou com o Cavigal. Era um jogo que mal podíamos esperar para jogar, porque sabíamos que haveria tensão e que os cenários costumavam ser aleatórios e imprevisíveis. Este é o tipo de partida em que qualquer que seja sua posição na classificação, tudo pode acontecer. Nem sempre o time que estava à frente venceu, longe disso.

Manu Dos Santos e Gaël Givet cercando Mamadou Bagayoko

Então você teve uma espécie de papel de embaixador para seus outros parceiros que não vieram daqui?

Algumas vezes conversei com meus companheiros de equipe durante a semana sobre a importância do conceito de derby. A maioria dos meus parceiros não era da região, então tentei dar a eles uma força extra. É a supremacia da região que está em jogo.

E quando você é um treinador, como é hoje no sub-17, como você fala sobre esse duelo para os seus jogadores?

Você tem que fazê-los entender que este é um jogo especial. Eles conhecem o conceito de derby por meio de todos os jogos que veem na televisão e das várias entrevistas que leem com os jogadores. Mas viver um derby é diferente. Temos que fazer com que eles entendam. Em Nice, os jogadores deles são da região, então eles têm essa noção. É diferente para nós, porque nossos jovens vêm de toda a França. Procuramos alertá-los para este jogo, que geralmente é muito físico em campo, mas que também trabalha a parte mental. No entanto, não podemos esquecer que ainda é um jogo de futebol. Temos que encontrar um equilíbrio entre isso e a importância que este jogo tem para o clube.

AS Monaco uses cookies on this website. With your agreement, we use them to access how this website is used (analytic cookies) and to adapt it to your needs and interests (customization cookies depend on your browsing and your browser). By continuing your browsing, you give us the permission to use them.