Fechar
Sub-17 22 Setembro 2020, 17:50

Manu Dos Santos: “Dez anos de partilha na formação”

Manu Dos Santos: “Dez anos de partilha na formação”
Terceiro episódio da nossa nova série "Munegu per tugiu" sobre ex-jogadores do AS Monaco que continuam no clube nas funções de formadores. Hoje, o destaque será Manu Dos Santos, presente há dez anos no quadro da Academy e atualmente no comando dos sub-17

Após chegar ao AS Monaco em 1984, Manu Dos Santos iniciou sua carreira profissional onze anos depois. Foi em 25 de julho de 1995, para ser mais exato, quando ele substituiu Laurent Viaud aos 83 minutos de um clássico contra o Nice, que o clube do Principado venceu por 2 a 1. No ano seguinte, o defensor integrou a equipe campeã francesa de 1997. Após duas temporadas profissionais no clube, Manu Dos Santos jogou sucessivamente por Montpellier, Marselha e Benfica, antes de regressar ao Principado entre 2005 e 2007.

Excelente início de temporada com o sub-17

Depois de um último ano no Strasbourg, a lateral-esquerdo pôs fim à carreira profissional e logo se converteu em treinador na base. Desde 2010, Manu Dos Santos ocupou vários cargos na Academy do AS Monaco. Ele agora comanda a primeira geração do clube, o sub-17, atualmente líder do campeonato nacional da categoria, com três vitórias conquistadas nas três primeiras partidas da temporada 2020-2021.

Manu Dos Santos e Gaël Givet marcando um adversário

Como você avalia esses primeiros dez anos de formação no AS Monaco?

Acima de tudo, foram dez anos de partilha, o que me permitiu progredir como treinador. Você sempre tem que se adaptar a cada ano a um novo grupo, a uma nova geração que está chegando. É muito rápido, há muitas diferenças entre as gerações, então você tem que se questionar constantemente, se adaptar à forma como gerencia o grupo. Também é muito enriquecedor para mim, porque posso compartilhar meus sentimentos como jogador. Isso é positivo.

É importante para o clube contar com treinadores que já conhecem a instituição como jogadores?

Obviamente, é muito importante que o clube se apoie nos veteranos, sobretudo nos que se formaram no clube e com uma experiência de alto nível. A formação no AS Monaco já existe há muito tempo, e com sucesso. Contar com jogadores que têm esta cultura, esta experiência de formação, acho que é uma mais-valia. Na sociedade atual onde tudo está aberto à globalização, ter essa identidade forte aqui pode fazer a diferença.

Obviamente, é muito importante que o clube conte com ex-jogadores formados aqui e com uma experiência de alto nível.
Manu Dos Santos

Qual a sua relação com Gaël Givet e Sébastien Squillaci, que também estão na formação do clube?

Converso bastante com eles. Obviamente um pouco mais com Toto (Sébastien Squillaci), porque ele foi meu assistente nas últimas duas temporadas. Tínhamos discussões diárias e era muito construtivo, porque ele tinha sede de aprender, tinha muitas dúvidas. Até me permitiu revisitar algumas coisas que deixei de lado porque eu as considerava certas. Foi uma experiência muito interessante. Com o Gaël, dividimos um pouco menos, já que ele é do sub-19. Apesar disso, ainda tentamos discutir sua motivação para aprender, mas também sobre o grupo que eu os deixo a cada ano com Fred (Barilaro).

Conte-nos sobre o lançamento do Diagonale, o novo prédio da Academy…

É uma coisa muito boa. Isso nos permite diminuir um pouco a distância para alguns clubes, principalmente em termos de infraestrutura. Fomos eficientes em termos de trabalho, mas devemos admitir que acumulamos um pouco de atraso em relação às instalações. É muito bom que o clube invista nestas infraestruturas para dar ainda mais conforto aos nossos jovens, para que possam crescer, trabalhar e ter o melhor desempenho possível. No dia a dia, também vai nos permitir conversar um pouco mais, porque agora estamos todos no mesmo prédio. Também vai tirar muito cansaço, quando vemos as viagens que fazíamos para ir treinar. Quando você faz as contas no final do ano, percebe que passa muito tempo no ônibus e isso gera cansaço e menos tempo de recuperação. Nesse sentido, é ainda mais benéfico.

Acima de tudo, foram dez anos de partilha, o que me permitiu progredir como treinador. Você sempre tem que se adaptar a cada ano, a um novo grupo, a uma nova geração que está chegando. É muito rápido, há muitas diferenças entre as gerações, então você tem que se adaptar constantemente à forma como gerencia o grupo. Também é muito enriquecedor para mim, porque posso compartilhar meus sentimentos como jogador.
Manu Dos Santos

Deve ter mudado muito desde que você era jogador aqui…

(Sorriso) Certamente mudou muito desde os dias de pré-formação no centro de treinamento La Turbie. Já houve um avanço com os edifícios sólidos que foram construídos. Lá, demos mais um passo à frente que nos permitirá passar para outra dimensão.

Especialmente porque agora na Academy há uma boa mistura entre treinadores experientes (Frédéric Barilaro, David Bechkoura) e ex-jogadores do clube como você, Gaël e Sébastien…

Quanto mais experiências são compartilhadas, mais eficientes somos em nosso trabalho. E claro, se formos bem, faremos com que nossos jogadores sejam um pouco melhores, então acho que isso é muito bom para o AS Monaco. Fred tem 30 anos de experiência em formação, David também tem uma sólida caminhada, especialmente no PSG e depois aqui no AS Monaco, e nós, com Gaël e Sébastien, procuramos trazer a nossa experiência de alto nível. É uma boa combinação de habilidades.

AS Monaco uses cookies on this website. With your agreement, we use them to access how this website is used (analytic cookies) and to adapt it to your needs and interests (customization cookies depend on your browsing and your browser). By continuing your browsing, you give us the permission to use them.